Em Cima da Hora

24

Faissal Calil

O estado precário das rodovias no eixo Jangada/ Itanorte já é conhecido há décadas. Pessoalmente, constatei serem as piores que percorri em campanha,apesar da importância no escoamento de indústrias,gado e soja da região.  A solução adotada foi a privatização através de leilão. Dúvidas me vieram à cabeça:

-Qual será o trabalho efetivado antes da implantação das praças de pedágio?

-O valor a ser cobrado (R$ 7,90 em cada uma das quatro paradas)não tornará o trajeto

caro demais? Implicará despesa adcional da mercadoria, interferindo imediatamente no custo de vida da área?

-Como ficará a empresa que já atua em uma das vias?

-As alternativas mais baratas não desviarão o tráfego de alguns municípios, prejudicando a população e o comércio local? As transportadoras economizarão R$ 40,00 se desviarem pelas BRs próximas.

-Recursos do Fethab não poderiam baratear o empreendimento ou executar a obra? A arrecadação ultrapassa bilhão e apenas R$ 15 milhões são destinados às rodovias. As cidades possuem serviço de bombeiro e SAMU para apoio?

-A hora é essa? O leilão já foi adiado algumas vezes. Agora, faltando pouco mais de um mês para o término do

mandato é, no mínimo, inadequado.

Em contato com os vereadores de Tangará (Wilson Verta,Hélio da Nazaré e Sandra Garcia) percebi que a pretensão é adiar

a decisão para o próximo governador. Desta forma, afastam-se as especulações de pagamento de dívida de campanha e proporciona diálogo mais profundo com os usuários.  Identifico-me com Carlos Drummond de Andrade: “Dizer a última palavra sobre um assunto é menosprezar a potencialidade do assunto”.

Resumindo: Os atos públicos devem ser transparentes e motivados, e não impostos ao povo. E, com certeza, nunca projetar um “abacaxi” a ser descascado pelo sucessor.

Faissal Calil é advogado, ex-vereador por Cuiabá e foi eleito para deputado estadual por Mato Grosso pelo Partido Verde

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.