Cuidados com o cabelo no clima seco

11

Estamos no inverno, a estação de clima mais seco do ano. Com a baixa umidade os cuidados com a saúde devem ser redobrados neste período. Além de problemas relacionados a doenças respiratórias e de pele, a queda na unidade do ar também prejudica a saúde dos cabelos. O clima seco retira a umidade dos fios, deixando o cabelo sem vida e opaco.

O clima influencia muito na saúde dos fios e os cabelos reagem ao clima seco. O fio é composto por 87% de proteína, que é a queratina, 12% de água e 3% de lipídios, a gordura do cabelo. O ar seco retira lentamente a água da fibra capilar, promove um desgaste na cutícula e provoca ressecamento, porosidade e até a ruptura do cabelo.

Um dos grandes problemas desse período e que merece cuidado especial é a descamação do couro cabeludo, a popular caspa, causada pelo excesso de banhos quentes. Essa descamação gera fungos que enfraquecem o couro cabeludo, impedem a oxigenação e provocam a queda.  Temos que cuidar bem do couro cabeludo, cuidar da raiz. O cabelo é como uma árvore, se você não tratar bem a raiz, todo o restante fica comprometido.

A ação do clima seco tem efeitos diferentes nos cabelos cacheados e nos lisos. Nos cacheados, a baixa umidade provoca a indisciplina dos fios, que embaraçam com mais facilidade. Além disso, surgem pequenos nós, conhecidos como “nó de fada”, que deixa cabelo fica mais embaraçado e difícil de pentear mais, que mesmo umectando o cabelo, ele não responde.  Nessa situação a melhor alternativa é o corte. É como quando você poda uma árvore. No outro dia já vê os galhinhos novos. O corte faz muita diferença. A tesoura é a grande aliada do cabelo, mesmo que a pessoa esteja no “projeto cabelão”. Tem que tirar a pontinha para poder acelerar o crescimento e ter um cabelo comprido e vistoso.

Para os cabelos cacheados é preciso adotar um cronograma capilar de hidratação para a reposição de água e lipídios e, na sequência, um cronograma de reconstrução para reposição da queratina do fio. O tratamento deve ser feito nessa ordem para evitar o efeito rebote. Se chega um cabelo na “UTI” do salão, não vou dar para ele o melhor prato de comida. Se chegar um cabelo quebradiço, eu começo com a hidratação, repondo água. Vamos dando papinha para ele para que comece reagir.

Já os cabelos lisos tendem a ficar mais oleosos e pesados, sem balanço, sem brilho e com aspecto gorduroso e opaco e também se intensifica a utilização de ferramentas de fonte de calor, como a chapinha e o secador. Para esse tipo de cabelo é indicado a utilização de um xampu adstringente para tratar o couro cabelo e um condicionador suave com nutrientes adequados para tratar o fio, além de um protetor térmico com filtro solar para amenizar os danos. Outra consequência da baixa umidade nos cabelos lisos é aparecimento de pontas duplas, as famosas “forquilhas”. Neste caso, a indicação também é o corte.

Para manter a saúde dos cabelos durante o período da baixa umidade e atravessar a estação sem maiores danos nos fios, sugiro algumas dicas:

Na lavagem

Fazer uma higienização mais profunda com produtos mais orgânicos como hortelã, alecrim e outros extratos vegetais. Esses produtos também são conhecidos como veganos. Devem ser livres de petrolatos, parabenos e silicone. Essas composições acabam prejudicando muito os fios, principalmente dos cabelos cacheados, que tem uma resposta negativa imediata após o uso desses produtos. A temperatura dá água deve ser sempre a mais fria possível.

Efeito frizz

Para evitar que o cabelos fiquem arrepiados, sempre pentear os cabelos com os dedos, ainda enquanto estiver bem molhado. Não usar pentes, nem escovas. Estes provocam um atrito no cabelo e evidenciam o frizz depois dos fios secos. A adoção dessa prática é fundamental para evitar o frizz em cabelos cacheados e ainda ajuda na definição dos cachos e no movimento. Outra dica para evitar o frizz é utilização de fronha de cetim para a diminuição do atrito nos cabelos durante o sono. Para enxugar cabelos cacheados é indicado a adoção de produtos 100% algodão. Pode ser uma camiseta usada, fralda ou uma toalha de microfibra.

Uso de prendedores

O fio ressecado quebra mais facilmente e o uso de prendedores de cabelo feito de elástico, as famosas “xuxinhas”, pode agravar ainda mais o problema, pois na retirada acaba puxando e arrebentando o cabelo. A orientação é para que se utilize o acessório sempre revestido de tecido.

Descamação ou caspa

Para amenizar os efeitos da descamação, a popular caspa,  o indicado é a realização de sessões de detox, feitas com argila. O produto promove a esfoliação do couro cabeludo e já tem anti-sépticos  que eliminam os fungos e desentopem o couro cabeludo, permitindo que o cabelo respire e se oxigene, reduzindo a queda.

*CAROL BISPO é visagista formada pela Philip Hallawell e hair designer da escola Internacional Pivot Point, além de designer de cachos Devacurl. Instagram: @carolbispo_visagista

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.