Policiais Civis de Rondonópolis e articulam para greve; “estamos pagando para trabalhar” em MT

270

Cerca de 50 servidores da Polícia Civil de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, fizeram uma manifestação ontem (17) pedindo ao governo de Mato Grosso condições para poder trabalhar. Na cidade, pelo menos 250 policiais apoiam a manifestação.

O diretor do Sindicato dos Policiais Civis de Rondonópolis (Sinpol), Maciel Oliveira, afirmou que a categoria está pagando para trabalhar. “Nós pagamos a internet que a gente usa, porque a internet que o estado oferece é péssima, usamos nossos celulares para fazer investigações, nós pagamos, muitas vezes, até a água que a gente consome, além de materiais de serviço, como a manutenção das viaturas. Nós estamos pagando para trabalhar e mesmo assim não estamos cogitando greve” afirmou.

O movimento pacífico, que não prejudicou o andamento dos serviços na 1ª Delegacia de Polícia, foi organizado pelos sindicatos dos escrivães e dos policiais civis.

Ambos querem que o governo suspenda o escalonamento na folha de pagamento dos servidores que trabalham na instituição.

Conforme Olga Eliane Santos, representante dos escrivães, os juros pagos pelos servidores públicos por causa do escalonamento do salário são grandes.

“Com o governo Mauro Mendes nós tivemos um escalonamento ainda maior. Em janeiro ele também escalonou os salários. Então, quem recebia dia 5, vai receber dia 30. E os juros que vamos pagar, o estado vai repor para o servidor público?”, questionou.

Os servidores cobram pagamento em dia e são contrários a uma emenda do governo que, para eles, significa a perda de direitos trabalhistas que foram conquistados ao longo dos últimos anos.

O Sinpol também aproveitou o manifesto para esclarecer à população que hoje os policiais civis estão tirando dinheiro do próprio bolso pra trabalhar.

“Estamos mostrando para a sociedade esse momento ímpar, negativamente, que estamos vivendo. Isso reflete nos nossos bolsos. Nossos boletos estão vencidos. Nossos direitos estão sendo exterminados”, afirmou Maciel.

Deixe uma resposta