A escala para o bem como propósito individual e de marca

22

Paulo Camargo*

Todos os dias, falamos internamente sobre sugestões de novos produtos, desenvolvimento do nosso negócio e seus principais indicadores, planos para melhorar a vida dos nossos colaboradores, ideias para apoiar nossos fornecedores, e somos provocados pelos nossos clientes a evoluir. Rotina comum em muitas empresas. Mas o que mais me deixa orgulhoso de estar onde estou é ter a missão de, a partir desses dados, fazer uma autoanálise e entender se o nosso sucesso está sendo sustentado, acima de tudo, no propósito de usarmos a escala da nossa marca para o bem. Isso significa usar o nosso tamanho, a nossa liderança e influência para gerar ações com impacto positivo para a empresa e para a sociedade. O que traz um desafio diário de se olhar no espelho, a cada manhã, e se perguntar o quanto esse propósito individual e de marca está sendo entregue.

Neste processo evolutivo, a voz do cliente precisa estar muito presente. Entender seus anseios e suas expectativas é fundamental para continuarmos oferecendo propostas relevantes para as pessoas.  Agora em agosto, anunciamos mudanças importantes em um de nossos principais produtos: o McLanche Feliz. Resultado de uma evolução contínua no cardápio, as novas combinações no cardápio infantil ratificam nosso compromisso com as famílias e com a oferta de comida e qualidade, na medida em que apresentam sensível redução na quantidade de gorduras, sódio e açúcares, além de incluir mais frutas e vegetais entre as opções de composição desse menu.

A decisão acompanha os novos hábitos de consumo da sociedade, comprovados por meio de pesquisa** encomendada por nós e realizada por uma empresa independente. O levantamento feito na América Latina mostrou que a cada 10 mães e pais, seis acreditam que seus filhos comem melhor do que eles nessa mesma idade, a partir do acesso mais fácil às informações nutricionais. Outro ponto importante entre as pessoas ouvidas é que 8 em cada 10 pessoas consideram positiva a iniciativa de que as redes de serviço rápido ofereçam alternativas mais equilibradas, uma vez que a maioria afirmou que leva seus filhos pelo menos uma vez por mês em redes de fast food.

Conectados com o consumidor e com nosso propósito de marca, seguiremos fazendo evoluções necessárias para que o nosso negócio honre seu propósito de usar sua escala para o bem.  E qual tem sido o combustível para tantas decisões complexas e que envolvem mudanças estruturais no nosso negócio? A responsabilidade que temos com as pessoas e com uma das marcas mais valiosas do planeta. Uma responsabilidade que é individual e de cada integrante da nossa companhia. Só assim, continuarei a responder ao meu espelho a cada manhã:   “Sim, hoje mais uma vez vamos usar a nossa escala para o bem.”

(*) Paulo Camargo é presidente da Divisão Brasil da Arcos Dorados, maior franquia independente do McDonald’s no mundo, com atuação em 20 países da América Latina e Caribe

(**) Pesquisa realizada com 2.300 pessoas no Brasil, Argentina, Colômbia, Peru, Chile e México

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta