Sai Sergio Moro, entra Roberto Jefferson

47

Demissão do ministro símbolo da Lava-Jato pode se dar na mesma semana em que Bolsonaro negocia com caciques do Centrão envolvidos em escândalos de corrupção

O ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB), o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça., Sergio Moro Reprodução/Reprodução

 

Jair Bolsonaro decidiu trocar de amigos. E não é uma troca qualquer: saem os mocinhos do entorno do presidente, entram os vilões. Os mocinhos são o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e seu fiel escudeiro, o diretor-geral da Polícia Federal, Mauricio Valeixo, dois expoentes da Lava-Jato, a maior e mais barulhenta operação contra a corrupção já tocada no país.

Os vilões são velhos conhecidos da política brasileira e quase todos estiveram do lado errado das operações anticorrupção: os caciques do Centrão, o bloco político majoritário da Câmara que Bolsonaro tenta atrair para o seu governo.

O mais icônico deles é o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB), condenado e preso no escândalo do Mensalão e que foi ressuscitado pelo bolsonarismo nas redes sociais após iniciar uma pregação intensa sobre um suposto golpe que estaria em andamento para derrubar Bolsonaro.

O presidente gostou tanto que até publicou post nas redes sociais com foto sua acompanhando a live no YouTube na qual Jefferson explanava a sua teoria. Não demorou para começar a circular rumores de que Jefferson estaria interessado na recriação do Ministério do Trabalho, pasta que o seu PTB comandou por anos. O ex-deputado negou, mas convém desconfiar de um político que apoiou e participou dos governos Collor, FHC, Lula e Temer.

Mas mesmo que isso não ocorra, Jefferson pode se tornar um novo amigo do governo por via indireta, com a aproximação do presidente e do Centrão, bloco parlamentar do qual o PTB faz parte.

Nesta semana, o presidente recebeu e gravou um vídeo amistoso com o deputado federal Arhur Lira (PP-AL), um dos líderes do Centrão, candidato a desbancar Rodrigo Maia (DEM-RJ) da presidência da Câmara e negociador de aliança do bloco com o governo. Seria estranho ele conviver com Moro, já que é réu na Lava-Jato acusado de integrar um esquema de pagamento de propina a políticos com dinheiro desviado da Petrobras.

O presidente Jair Bolsonaro e um dos líderes do Centrão, deputado federal Arthur Lira (PP-AL), durante gravação de vídeo //Divulgação

Bolsonaro também vem negociando com Marcos Pereira (Republicanos-SP), presidente do partido e responsável pelo acordo que levou para a legenda os filhos do presidente Flávio e Carlos Bolsonaro, além da mãe deles, Rogéria Bolsonaro. Bispo da Igreja Universal, Pereira é investigado pela Lava Jato sob a suspeita de ter recebido propina dos grupos Odebrecht e JBS – neste último caso, há até áudio dele pedindo dinheiro ao empresário Joesley Batista.

Também negocia para se tornar companheiro de Bolsonaro o ex-deputado federal Valdemar da Costa Neto (PL), condenado e preso após ter sido um dos personagens centrais do escândalo do Mensalão. Ele teria recebido a promessa de controlar o Banco do Nordeste caso seu partido passe a integrar a base do governo.

A troca de amizades é arriscada para o presidente. Além de ter sido eleito com a plataforma de combate à corrupção, boa parte do seu eleitorado também é entusiasta de Moro, tanto que ele é apontado como o melhor ministro do governo e, em alguns levantamentos, tem avaliação positiva melhor que a do chefe.

 

 

Fonte: https://veja.abril.com.br/blog/maquiavel/sai-sergio-moro-entra-roberto-jefferson/

Comentários estão fechados.

Comentários estão fechados.