Covid-19: o exemplo que vem da Argentina

24

A Argentina tem hoje uma taxa de mortalidade pela covid-19 de 10,4 óbitos por 1 milhão de habitantes. No Brasil, essa taxa é de 111,2 mortes por 1 milhão de habitantes.

A mortalidade no Brasil é 11 vezes, isso mesmo, 11 vezes maior que a observada na Argentina.

O que explica essa diferença?

A Argentina não foi pautada pelo falso dilema entre saúde e economia. Ao contrário, as ações na economia têm sustentado a eficácia das medidas de saúde.

No plano sanitário, a Argentina se protegeu com isolamento social rigoroso, bem planejado nas esferas nacional e local, decretado precocemente.

No plano econômico e social, adotou medidas rápidas de proteção do seu povo para permitir que as pessoas cumprissem a quarentena mais longa até agora em todo o mundo e pudessem ficar seguras em casa.

O governo argentino coibiu demissões e protegeu os trabalhadores formais, inclusive complementando salários. Apoiou os trabalhadores informais ao instituir auxílio emergencial de 850 reais no mês de abril. Apoiou as empresas, assegurando subsídios, crédito e suspensão de impostos.

Protegeu a população mais vulnerável por meio da ampliação do cartão alimentação, programa similar ao bolsa família brasileiro.

Congelou alugueis, proibiu despejos, suspendeu cortes de serviços essenciais como água, luz, gás, telefonia e internet.

Protegeu a economia com investimento na produção de suprimentos de saúde e na reconversão de indústrias.

Criou um fundo especial para proteger os setores da cultura e do turismo.

Ampliou o orçamento destinado a obras públicas para injetar recursos na economia.

Por fim, debate no parlamento nacional o imposto emergencial sobre as grandes fortunas e iniciou uma moratória negociada da sua dívida pública.

E tudo isso só foi possível porque a Argentina tem liderança e governo nacional. Reuniu, em esforço coordenado, Estado e sociedade, setores público e privado, poderes públicos, governo e oposição.

Aqui no Brasil teríamos evitado 9 em cada 10 mortes causadas pela covid-19 até hoje, se tivéssemos seguido por aqui o modelo argentino e alcançássemos as taxas de mortalidade de lá.

Teríamos preservado 22.317 vidas das 24.512 vítimas fatais da pandemia em nosso país até o dia 26/05. Mais que um número, são pessoas que estariam vivas, protegidas e entre os seus.

Não é apenas o vírus que mata. Desgoverno também.

Lúdio Cabral é médico sanitarista e deputado estadual pelo PT em Mato Grosso.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.