Estudantes de intercâmbio em Bogotá desembarcam em São Paulo dia 4. Mas não têm dinheiro para voltar a Cuiabá

39

Oito estudantes mato-grossenses que fazem intercâmbio em Bogotá, na Colômbia recorreram ao presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Eduardo Botelho (DEM) para intermediar o retorno do grupo ao estado. Eles pedem apoio financeiro legislativo para pagarem passagem aérea ou terrestre, entre São Paulo e Cuiabá, onde o grupo deverá desembarcar no próximo dia 4, de um voo humanitário custeado pela embaixada brasileira de Bogotá até a capital paulistana.

A embaixada deve pagar $$ 468 dólares para todos que não possuem passagens comprada pela Avianca.

De lá, os mato-grossenses devem buscar alternativas próprias para retornarem a Cuiabá.

Os estudantes pedem urgência na ação do parlamentar na embaixada colombiana, em Brasília, para anteciparem a volta, uma vez que, o país fechou as fronteiras e o intercâmbio termina em junho próximo.

O grupo está em Bogotá desde março deste ano estudando com bolsas de intercâmbio oferecidas por universidades de diferentes cidades da Colômbia

A Carta

Assim como todos, fomos surpreendidos pela pandemia do Corona Vírus (Covid -19), que nos colocou em uma situação inesperada para esse momento de intercâmbio.

Há semanas estamos esperando alguma posição da Embaixada do Brasil em Bogotá para tentar retornar ao nosso país, e apenas hoje no final da tarde desta sexta-feira (29), foi anunciado a organização de um voo “humanitário” para levar de volta ao Brasil, até a cidade de São Paulo, os brasileiros retidos na Colômbia.

O voo ocorrerá no dia 4 de junho e está sendo organizado entre o governo colombiano e o governo brasileiro, em parceria com a companhia Avianca.

No entanto, este tem o custo de 468 dólares para todos aqueles que não possuem passagens de volta comprada pela Avianca. Uma quantia muito alta que nós estudantes, que dependemos de bolsas, não temos condições econômicas de arcar. E assim mesmo, para aqueles que possuem passagem de volta pela Avianca e conseguiram ser repatriados sem custo, dois de nós, ainda terão pendentes o trecho entre São

Paulo e Cuiabá, que até a data de hoje possuem escalas menos frequentes e com preços exorbitantes que chegam ao valor de 1 mil reais, que também não somos capazes de custear.

Frente a esse cenário, apontamos abaixo, alguns dados e evidências que demonstram nossa situação de vulnerabilidade em um país que não é o nosso, e sem qualquer apoio familiar ou governamental.

  • Emergência global – declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – causada pela pandemia do novo Corona vírus;
  • Emergência Sanitária ao qual está submetida a república da Colômbia desde o dia 12 de março até o dia 31 de agosto;
  • Fechamento do aeroporto até o dia 30 de junho e a não operação de voos aéreos internacionais até a finalização da emergência sanitária no país, 31 de agosto;
  • Imprevisão de novos voos de repatriação sem custo organizados pelo governo brasileiro, e desamparo por parte da embaixada;
  • Impossibilidade de voltar ao Brasil em um voo que não seja humanitário ou de repatriação, devido ao fechamento das fronteiras;
  • Impossibilidade de utilização de nossos bilhetes de volta em voos comerciais de volta ao Brasil até o dia 1º de setembro;
  • Aproximação do término das nossas bolsas de estudos (terminam em junho);
  • Presunção da situação de vulnerabilidade do nosso pedido nessas circunstâncias;
  • Aproximação do término da cobertura do nosso Seguro Médico/Viagem, o que significa impossibilidade de qualquer atendimento médico gratuito, já que a Colômbia não dispõe de sistema público de saúde para estrangeiros;
  • Sinalização por partes das Instituições de Ensino Superior, tanto do Brasil quanto da Colômbia, da não disponibilização de recursos adicionais para custear o valor desse voo;

 

Por isso, nós intercambistas grossenses e residentes em caráter definitivo do estado de Mato Grosso que atualmente se encontram na Colômbia e que se manifestam por meio desta carta, exortam a Assembleia Legislativa a colaboração e apoio

econômico para que possamos voltar ao nosso país através desse voo que nos deixará em São Paulo, e mais que isso, que colabore também de maneira que possamos regressar a nossa cidade, Cuiabá, seja de forma aérea ou terrestre.

Enfatizamos que totalizamos aqui nessa carta uma quantidade de 8 estudantes de intercâmbio mato grossenses e residentes em caráter definitivo de Mato Grosso, dos quais 7 são da Universidade Federal de Mato Grosso, bolsistas de programas de graduação sanduíche e outras modalidades de mobilidade acadêmica, que estão no país desde o começo do ano, com bolsas que já se aproximam do término. E uma estudante mato-grossense, bolsista pelo Prouni na Puc-SP, que também está na Colômbia devido a um programa de bolsas de intercâmbio.

Essa é a única forma com a qual poderemos voltar ao Brasil, e que por não termos condições econômicas para arcar com os gastos desse voo, estamos realizando esse pedido, com caráter de urgência a Assembleia Legislativa de Mato Grosso, para que custeie nosso retorno ao Brasil. Ressaltamos, que caso não obtenhamos auxílio para retornar, estaremos em situação de extrema vulnerabilidade, e sem a garantia de direitos básicos, que em nosso país nos são concedidos.

Estamos muito tristes com a possibilidade de retorno não acessível que foi oferecida pela Embaixada, mas temos esperança que o estado de Mato Grosso apoie seus estudantes nessa situação tão delicada. Solicitamos urgência na apreciação do nosso pedido, pois considerando a proximidade do voo, e a necessidade da nossa confirmação junto a embaixada até o dia 31/05 (domingo), precisamos de uma posição rápida, e sem esse respaldo não temos condições de voltar.

Diante do acima exposto, instamos a atenção da Assembleia Legislativa do Mato Grosso para que colabore com a nossa repatriação.

Antecipadamente agradecemos pela atenção e pelo canal de comunicação e esperamos contar com a vossa colaboração.

Atenciosamente,

Ana Paula Rosa dos Santos

Beatriz Rodrigues Folha

Gabrielly Moreira Borges Antoneli

Iasmim Tarumã Souza Kuhn

Isabelle Santos Fanaia

Maycon de Souza Esquer

Pollyana Diva Rodrigues da Silva

Vivian Ferreira de Amorim

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.