Deputado alertou que desconto de 30% salvaria escolas particulares da falência. Mas elas tiveram 5%.

O resultado é o fechamento de diversas escolas particulares em Mato Grosso que não conseguem manter as despesas no período da covid-19

116

No início de maio, a Assembleia Legislativa aprovou o projeto de lei 270/2020 que determina às unidades escolares a concederem desconto mínimo de 5% no valor da mensalidade enquanto perdurar o período de isolamento social/pandemia de Covid-19, quando as escolas e faculdades particulares encontram-se sem aulas presenciais.

O deputado Silvio Fávero argumentou que a concessão de desconto de 5% não resolveria a situação da maioria dos pais de alunos e ainda causaria, como efeito reverso, a inadimplência e a evasão escolar. Seus argumentos, no entanto, foram rechaçados por representantes do setor, que acusaram o parlamentar de oportunista e demagogo. O deputado Wilson Santos (PSDB), que tem fortes ligações com empresários do ensino privado, criticou duramente a proposta de Fávero, que defendia desconto de 30% nas mensalidades.

Pouco mais de sessenta dias da aprovação pela ALMT do projeto de lei que garantiu desconto de 5% nas mensalidades de instituições privadas de ensino, uma notícia no Mídia News confirma que Silvio Fávero estava coberto de razão.

De portas fechadas desde o final de março por conta da pandemia de coronavírus, as escolas particulares de Mato Grosso se deparam com sérios problemas financeiros e até falência. Vinte e cinco unidades no Estado já fecharam nesses quatro meses.

Fávero sugeriu desconto de 30% no valor das mensalidades. Se as instituições de ensino tivessem acatado essa sugestão, o impacto na receita seria mitigado com a adoção de outras medidas, mas preferiram seguir a trilha da ganância e da falta de solidariedade.

“Nossa intenção ao propor desconto de 30% no valor das mensalidades era colaborar com os pais de alunos e ajudar as instituições de ensino privado a se manter em atividade. Infelizmente, nossa proposta não foi aceita. Mas estamos abertos para debater e ajudar a construir outras alternativas para evitar a falência das escolas particulares de Mato Grosso”, afirmou o deputado Fávero.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.