Líderes religiosos se articulam para eleger pré-candidatos a prefeito e vereadores em Xavantina

19

Um grupo de lideres evangélico das Assembleias de Deus (Ministério de Madureira) fanático por politica ligados ao conceituado Pastor Divino Elias, atual comandante das Assembleias de Deus no município de Nova Xavantina, pelo visto pode colocar o púlpito do Senhor Jesus em segundo plano ao tentar oferecer como “moeda de troca” o referido pastor como pré-candidato a vice-prefeito na chapa da pré-candidata a prefeita Vanuza Pazetto (DEM). 

De acordo apurou a reportagem do Noticia dos Municípios a irmandade tenta a todo custo impor o nome do reverendo através do partido MDB ao qual ele esta filiado. 

Por outro lado ocorre boatos as bocas miúdas, inclusive por pessoas membros da própria Igreja evangélica que, caso essa “aliança” politica venha ser concretizada em convenções municipais que serão realizadas nos próximos dias, seria semelhante uma tentativa de misturar agua e óleo, outros já apostam que seria voltar ao passado e lamentavelmente “ressuscitaria” a historia do ex-vice prefeito Esdras Fernandes.

Esdras há época era um jovem ativo na Igreja e filho de outro conceituado pastor José Fernandes Sobrinho, há época indicado pela igreja para ser o vice-prefeito na chapa do saudoso ex-prefeito Frederico Fernandes, assassinado de forma violenta e covarde em sua residência em 1999.

Há época Esdras foi acusado de ser o mandante do assassinato do seu colega de executivo e esteve preso por um longo período de tempo, tanto o vice como sua Igreja acabou pagando um preço muito alto por uma historia que em tese ate hoje não foi desvendada. Esdras acabou assumindo a prefeitura e concluiu o mandato outorgado a dupla nas urnas.

O assassinato de Frederico completou 21 anos no dia 30 de março deste ano, ha época abalou o Estado de Mato Grosso e tomou repercussão nacional, ate hoje não esquecida pela população xavantinense por ficar na história devido um triângulo amoroso e de uma guerra surda pelo poder.

Aos 48 anos, Frederico foi executado por volta das 20 horas na porta de sua casa; levou 18 tiros, sendo 15 de revólver calibre 38 e três de escopeta calibre 12. O crime aconteceu minutos depois que o prefeito, acompanhado de sua companheira à época (ex-esposa do vice), chegaram em casa. Os dois chegaram a entrar na casa; mas Frederico voltou até a caminhonete para apanhar uma bateria de telefone celular que havia esquecido, quando foi surpreendido pelos criminosos.

Existe um sentimento espiritual entre a maioria dos fiéis que caso a Igreja faça opção por ficar de fora da disputa politica em Nova Xavantina seria uma decisão sabia e certeira aos olhos da maioria e preservaria com mais santidade a imagem da igreja, antes manchada por escândalos políticos envolvendo membros do alto clero. Disse alguns fiéis.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.