Ex-governador Pedro Taques (PSDB) tem candidatura negada pela Justiça Eleitoral

O entendimento colegiado é de Pedro Taques é um "ficha-suja". A decisão atinge a chapa toda, que conta com o delegado Fausto Freitas (Cidadania) e a médica Elza Queiroz (SD), como suplentes.

40

Foto: Edilson Aguiar

Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) julgou procedente o pedido de impugnação da Procuradoria Regional Eleitoral e negou o registro de candidatura ao ex-senador e ex-governador Pedro Taques (SD) para disputar a eleição suplementar ao Senado marcada para o dia 15 de novembro. A decisão atinge a chapa toda, que conta com o delegado Fausto Freitas (Cidadania) e a médica Elza Queiroz (SD), como suplentes.

O entendimento colegiado é de Pedro Taques é um “ficha-suja”. Durante votação na manhã desta segunda-feira (26), os magistrados da Corte Eleitoral rejeitaram a tese da defesa de que Taques não teve registro de candidatura e nem diploma cassado e por isso não estaria inelegível como sustentou o Ministério Público Eleitoral.

O processo teve como relator o juiz-membro do TRE, Jackson Francisco Coleta Coutinho que considerou a gravidade da conduta de Pedro Taques nas eleições de 2018 quando distribuiu bens e serviços aos eleitores através da “Caravana da Transformação”, o que gerou condenação com aplicação de multa de R$ 50 mil e efeitos secundários pelo indeferimento de registro de candidatura em pleito futuro. Em seu voto, o magistrado ponderou que o fato de o candidato não ter sido reeleito em 2018 e cassado em seguida, não significa que ele não poderá ser declarado inelegível.

Ressaltou que no caso de Pedro Taques foi imposta condenação por conduta vedada onde se reconheceu a gravidade com efeitos secundários aptos a gerar inelegibilidade. Citou entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que incide inelegibilidade quando há aplicação de multa em condenação por conduta vedada mesmo que o candidato não tenha sido alvo de cassação de diploma ou registro.

Conforme o relator, no julgamento de uma representação eleitoral proposta pelo o PDT, antigo partido de Pedro Taques, o TRE reconheceu a gravidade de distribuição de bens e serviços em ano eleitoral e que, portanto, estão preenchidos os requisitos de inelegibilidade. Também  não acolheu a tese defensiva de que existem recursos pendentes de julgamento com efeitos suspensivos, de modo que o pedido de registro não poderia ser negado, mediante a possiblidade de o recurso ser acolhido e reformar a decisão anterior que condenou Taques.

Conforme Coutinho, a tese defensiva vai contra o que prega a lei da Ficha Limpa, que visa impedir que pessoas condenadas continuem disputando eleições. Sustentou que a decisão anterior do TRE está apta a produzir efeitos jurídicos para indeferir o pedido de registro de Pedro Taques. “Verificando que a anotação de inelegibilidade com efeito secundário de condenação por conduta vedada não sofreu suspensão por expressa de órgão hierarquicamente superior impõe-se concluir que a mesma se encontra apta a produzir efeitos jurídicos imediatos, razão pela qual Julgo procedente a presente impugnação de registro de candidatura e indefiro o pedido de registro de candidatura de José Pedro Gonçalves Taques ao cargo majoritário de senador para o pleito eleição suplementar de 2018 e vias de consequência, muito embora os registros dos suplentes Fausto José Freitas da Silva, primeiro suplente, e Elza Luiz de Queiroz, segunda suplente, tenham sido deferidos, indefiro o registro da chapa majoritária para o cargo de senador da República da coligação ‘Todos somos Mato Grosso’ (Cidadania e Solidariedade), é como voto”.

O voto do relator foi acompanhado pelos juízes Gilberto Lopes Bussiki, Sebastião Monteiro da Costa Júnior, Fábio Henrique Rodrigues de Moraes Fiorenza e Bruno D’Oliveira Marques. E também pelos desembargadores Gilberto Giraldelli, presidente do Tribunal Regional Eleitoral, e Marilsen Addário.

CONDENAÇÃO ANTERIOR

No julgamento, o Pleno do TRE aplicou uma multa de R$ 50 mil a Pedro Taques e como efeito secundário a uma possível cassação de registro/diploma caso tivesse sido eleito, a anotação de sua inelegibilidade por meio de pré-anotação do Código ASE 540 no cadastro nacional de eleitores. O MP Eleitoral sustentou que Taques incorre em causa de inelegibilidade por causa da anotação de inelegibilidade e que se fosse eleito ensejaria a cassação do diploma (eleição de 2018).

Taques contestou e disse que a condenação não configuraria inelegibilidade, pois não cassou diploma e há embargos de declaração com efeitos suspensivos, pendente de julgamento. Os argumentos da defesa não foram acolhidos no julgamento do registro de candidatura.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.