No bairro Umuarama, em Cuiabá, familiares e amigos dão adeus ao jovem que se matou após discriminações por ser gay

Os crimes de homofobia ocorriam nas redes sociais. Familiares mostraram pritns de conversas onde ele era xingado por conta da sua orientação sexual

59

Gazetadigital

 Pheterson Gustavo Amâncio da Silva, 19, foi encontrado morto dentro de sua casa, no bairro Jardim Umuarama, em Cuiabá, no final de ontem (12). Jovem sofria de depressão e estava sendo vítima de homofobia. Prints foram apresentados pela família à Polícia Civil que comprovam mensagens de ódio recebidas nas redes sociais.

De acordo com as informações, uma criança foi quem encontrou o corpo do rapaz pendurado por um lençol dentro do quarto. Ela correu para pedir ajuda, mas já era tarde, o primo dela já estava sem vida.

Polícia foi acionada junto com a equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que atestou o óbito. Delegacia de Homicídios esteve no local para o atendimento e liberação do corpo.

Aos investigadores, familiares contaram que o rapaz apresentava sinais de depressão e há 8 meses tinha atentado contra a vida. Com uma rotina de um jovem de 19 anos, gostava de sair, fazia uso de álcool e drogas. Mas, nos últimos dias, vinha sofrendo perseguições por ser gay.

Os crimes de homofobia ocorriam nas redes sociais. Familiares mostraram pritns de conversas onde ele era xingado por conta da sua orientação sexual.

Em uma página de rede social, o rapaz chegou a falar sobre um dos episódios de homofobia que sofreu. “Não tá sendo facil para ninguém, mesmo assim tentamos continuar vivendo passando por todos os problemas, este garoto há dias vem me xingando virtualmente, fazendo críticas e me incentivando a desistir de tudo”, diz ele no post.

Ajuda
Uma das portas para ser ouvido é o Centro de Valorização da Vida (CVV), que realiza apoio emocional e prevenção ao suicídio. O CVV atende voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por meio do telefone 188, email e chat 24 horas todos os dias. Mais informações https:// www.cvv.org.br/.

Deixe uma resposta