Empaer deverá ser extinta na gestão Mauro Mendes, além de vários órgãos públicos

358
 Mauro Mendes (DEM), estuda promover a extinção ou a fusão de sete dos 20 órgãos e empresas públicas do Estado. O governador eleito destacou que a meta é otimizar a máquina e melhorar os serviços. São eles:
Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat);
Companhia Mato-grossense de Gás (MT Gás);
Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer);
Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI); Central de Abastecimento do Estado de Mato Grosso (Ceasa);
Agência de Desenvolvimento Metropolitano da Região do Vale do Rio Cuiabá (Agem);
Agência de Fomento do Estado de Mato Grosso (Desenvolve MT, antiga MT Fomento).
A hipótese surgiu após as apresentações dos relatórios conclusivos dos grupos que compõem a Comissão de Transmissão.
Na ocasião, foram detectadas inúmeras inconsistências nesses órgãos, como a redundância de serviços prestados, inexistência ou baixa demanda do serviço ofertado, falta de planejamento estratégico, excesso de cargos, investimentos que fogem da competência do Executivo e não possuem custo/benefício atraente, entre outras.
“Assim como houve o enxugamento nas secretarias, também precisamos fazer o mesmo nas autarquias e órgãos públicos. É preciso reduzir os gastos com custeio, diminuir a máquina e o tamanho do Estado para cobrir o rombo de R$ 1,5 bilhão projetado para o proximo ano”, afirmou.
Mauro ressaltou que muitos desses órgãos prestam serviços que podem ser incorporados pelas secretarias, assim como há a a possibilidade de se fazer fusões para otimizar a mão-de-obra e estrutura física, gerando grande economia aos cofres públicos.
“O Estado está inchado e consumindo sozinho toda a arrecadação. O resultado é a falta de dinheiro para investir naquilo que mais importa ao povo mato-grossense. Até os serviços essenciais estão sendo comprometidos. Essa lógica precisa ser invertida. A prioridade será a de buscar oferecer qualidade na Saúde, na Educação, na Segurança e nos serviços públicos em geral”, explicou.

Deixe uma resposta